sábado, abril 14, 2007

Sócrates

Todos viam o seu olhar um tanto insolente e profundo, aqueles olhos escuros e fugidios, reveladores de algum mistério insondável que parecia incompreensível ao comum dos mortais. Olhavam para a sua figura grotesca e fascinante e contudo tão sólida, tão indelével que se assemelhava à de um deus (…)
Todos pareciam extasiados (…) algum influxo olímpico devia abrigar-se no seu espírito.

(Miguel Betanzos)

5 comentários:

rafael disse...

parabéns pelo blog, muito bom, gostei e acompanho!

Mimas disse...

aos domingos, já ninguem vai á missa...

cbs disse...

é por isso mesmo que eu agora vou, por já ninguém ir

Patrícia disse...

e eis o diploma... os olhos traduzem o espelho da alma... e que alma!

Anónimo disse...

Oh cbs...és tão mentiroso pá! Não habia nexexidade...
Há quanto anos não vais à missa?
Julgas que não te conheço??
De gingeira...moras na minha rua!
Já lá vai o tempo em que ias com a tua maezinha, para ver aquela velha que lá estava pesarosa a suplicar que Deus lhe concedesse o perdão...pelas escapadelas dentro do WC onde ela servia cafés!
Lembraste, meu?
Belos tempos..., belas noites!! A velha era boa, não era?! Todos dizem que sim...